7 cidades pelo mundo que estão se tornando livres de carros

Um típico paulistano que utiliza o carro todos os dias para trabalhar perde 1 mês por ano de sua vida no trânsito. Algumas cidades já perceberam que o automóvel não é a melhor opção para grandes centros urbanos. Os carros poluem o meio ambiente, causam acidentes e mortes e estão se tornando um meio de transporte lento e estressante.

Em Londres, se você for a algum lugar de bicicleta, chegará mais rápido do que se tivesse utilizado um carro. Um estudo britânico constatou que os motoristas gastam 106 dias de suas vidas à procura de vagas em estacionamentos. Para fugir desta caótica realidade, algumas cidades estão proibindo o uso de carros em determinados bairros, aplicando multas aos que descumprem as regras.

Veja abaixo algumas das cidades que estão abandonando, aos poucos mas de vez, os automóveis:

1. Madri, Espanha

Madri já proibiu o uso de carros em algumas regiões e pretende aumentar essas áreas. Quem trafegar de carro em áreas proibidas pagará uma multa de U$ 100. A cidade pretende deixar o centro de Madri completamente sem carros nos próximos 5 anos. As ruas serão redesenhadas para caminhar e não para dirigir. Além disso, os carros mais poluentes pagam um valor mais alto para estacionarem nas ruas.

MadriCarros

2. Paris, França

No ano passado, quando os níveis de poluição atmosférica estavam muito elevados em Paris, a cidade proibiu o uso de carros com placas pares por um período. A poluição diminuiu em até 30% em algumas regiões. Desta forma, a cidade pretende desencorajar o uso de automóveis nos próximos anos. No centro da cidade, pessoas que não moram na região central, não poderão utilizar automóveis nos finais de semana e, em breve, também não poderão utilizar os carros durante toda a semana. Em 2020, o prefeito planeja dobrar o número de ciclovias e proibir carros a diesel. O número de condutores na cidade já está começando a cair. Em 2001, 40% dos parisienses não possuíam carros, hoje 60% não possuem carro próprio.

ParisCarros

3. Chengdu, China

Uma nova cidade satélite planejada no sudoeste da China poderia servir como um modelo para locais modernos. As ruas foram projetadas para que as pessoas consigam chegar a qualquer local da cidade em apenas 15 minutos a pé. A maioria das pessoas poderá ir caminhando ao trabalho nos bairros locais. Os arquitetos Adrian Smith e Gordon Gill realizaram o projeto, que em breve será implementado.

ChinaCarros

4.Hamburgo, Alemanha

A cidade não planeja proibir totalmente o uso dos carros. Ao invés disso, está tornando mais fácil ficar sem dirigir. Um nova “rede verde“, que será concluída entre 15 a 20 anos, irá conectar parques ao redor da cidade, desde jardins comunitários, reservas ou playgrounds até cemitérios. A rede cobrirá 40% da área total de Hamburgo, que será totalmente interligada por meio de ciclovias e vias para pedestres.

HamburgoCarros

5. Milão, Itália

A cidade de Milão está testando uma nova forma de diminuir o uso de automóveis nos centros da cidade. Quem deixar o automóvel em casa, ganhará um “vale” com o mesmo valor de um bilhete de ônibus ou trem. Para evitar fraudes, é necessário instalar uma caixa conectada à internet no carro para o controle e localização do automóvel.

MilaoCarros

6. Copenhagen, Dinamarca

Anos atrás, a cidade tinha um tráfego caótico. Para mudar este cenário, os dinamarqueses aderiram ao uso de bicicletas, para se locomoverem e irem ao trabalho. Na década de 1960, a cidade começou a implantar zonas para pedestres e os espaços para carros foram diminuindo ao longo dos anos. Atualmente, a cidade tem mais de 200 quilômetros de ciclovias, com novas auto-estradas de bicicleta em desenvolvimento, para chegar a seus arredores. A cidade tem uma das taxas mais baixas de propriedade de automóveis na Europa.

CopenhagaCarros

7. Helsinki, Finlândia

Em um novo plano, a cidade apresenta um projeto que busca fazer com que seus cidadãos não tenham mais motivos para utilizar carros. O objetivo é mudar a forma como as pessoas se locomovem dentro da cidade e integrar vários tipos de transportes públicos. Um novo aplicativo, ainda em testes, permitirá que os cidadãos acessem instantaneamente uma bicicleta, carro, táxi compartilhado e encontrem ônibus ou trem mais próximos.

helsink

Saiba como fazer a compra de uma bicicleta bonita e confortável

No mercado, existem pelo menos quatro tipos de modelos de bike e você precisa encontrar a bike confortável conforme a sua necessidade. Entre os modelos comuns encontrados no mercado temos as bikes de conforto, de montanha, de estrada ou de fitness. Cada uma delas poderá ser encontrada em diversos tipos de materiais, o que deverá influenciar de forma direta o seu peso.

Os modelos de bike confortável mais leves são produzidas em fibras de carbono, podendo inclusive ser mais caras que as bicicletas convencionais. Existem ainda as bicicletas que são de alumínio, e que são consideradas as mais comuns e também as bicicletas mais pesadas, estas que são construídas em ferro, e tendem a ser um pouco mais baratas.
A partir do seu ponto de vista nos exercícios, você define como poderá ser a sua bike.

Antes de ir comprar uma bicicleta nova, existem algumas questões que precisam ser decididas, como por exemplo, se você é um ciclista ávido, talvez a bike confortável que você precise escolher é uma bicicleta de estrada, se você curte aventuras e pretende andar em terrenos sinuosos existem as bicicletas de montanha, para passeios mais curtos, existem as bicicletas de conforto. E ainda tem mais bicicletas apenas para praticar fitness.

Ao escolher uma loja dedicada exclusivamente a bicicletas, você poderá ter de pagar um valor a mais pela bicicleta do que se fosse em uma grande empresa comercial. Em contrapartida estas lojas são montadas e rigorosamente testadas com padrões de qualidade, o que não acontece em grandes lojas de varejo e talvez você nem sempre compre a bicicleta que é a melhor para a sua necessidade.

Ao se dirigir a uma loja de bikes específica, você deverá dar uma volta e procure testar seus componentes, como por exemplo os freios, as mudanças de marchas, a suspensão, o selim, para que possa se certificar que ela é fácil de usar e está perfeita conforme sua necessidade.

Quem gosta de andar de bicicleta deve sempre adquirir equipamentos de segurança, como um bom capacete ou um tênis próprio para ciclismo para ser mais fácil de pedalar.

bicicleta-blitz-confort

Documentário Bikes vs Carros será lançado no Brasil dia 13 de junho, em São Paulo

São Paulo será a primeira cidade no Brasil a receber o documentário Bikes vs Carros. O lançamento será 13 de junho no Parque do Ibirapuera, com exibição gratuita em espaço aberto próximo ao Auditório, e terá a presença do diretor sueco Fredrik Gertten. No dia haverá uma programação cultural ligada à bicicleta, que será divulgada em breve.

Em 18 de junho a produção desembarca no Rio de Janeiro e em todas as salas do Espaço Itaú de Cinema no País – Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PA), Santos (SP) e Salvador (BA).

Outra novidade é a possibilidade que qualquer cidade tem de receber e exibir o filme. Basta se inscrever na plataforma VideoCamp, descrever suas propostas para a ação e aguardar o retorno com o filme. A criação é da Maria Farinha Filmes para promover o cinema como ferramenta de transformação social.

O filme
Apesar da dicotomia “bicicletas versus carros”, a produção não explora a guerra por espaço, mas como a indústria automobilística influencia nas políticas públicas das cidades e como a bicicleta começa a mudar uma parte desse jogo.

São Paulo tem um papel importante no documentário. Gravado entre 2012 e 2014 na cidade, Gertten registrou a eleição do prefeito Fernando Haddad (PT) e o início das transformações pelas quais a capital paulista passou. Também compõem o documentário as cidades de Los Angeles (EUA), com sua luta por mais espaços para bicicleta; Toronto (Canadá) e o seu prefeito que está tirando algumas das ciclovias; e Copenhague (Dinamarca), referência internacional em mobilidade por bicicleta.

Entre os depoimentos estão os da arquiteta e urbanista brasileira Raquel Rolnik e o da jornalista e repórter do Vá de Bike Aline Cavalcante. “Ele ficou entre a rotina de São Paulo e a minha. Me acompanhou em umas audiências públicas na Câmara Municipal, registrando os debates sobre bicicleta”, explica a jornalista.

Aline conta que fez uma reconstituição não factual sobre os acontecimentos com a Julie Dias e a Márcia Prado e usou a história de Julie como uma cronologia de outros eventos semelhantes em Bogotá (Colômbia) e Los Angeles (EUA). “O que está acontecendo em São Paulo já aconteceu em várias partes do mundo. A Europa é o que é por causa da incidência de ativistas. Eu vivo essa história todos os dias para todo lugar que eu vou. Nunca imaginei que a bicicleta fosse me proporcionar essas experiências.”

O filme teve sua première internacional em Malmö, na Suécia, em março, mas já rodou o mundo, passando por Espanha, Reino Unido, Colômbia, Austrália e Estados Unidos, entre outros. De acordo com a programação internacional, o filme ainda vai à Coreia do Sul, Polônia e muitas cidades dos Estados Unidos.

Veja abaixo dois trailers do documentário, legendados em português. No segundo, com conteúdo diferente, há vários depoimentos de Aline Cavalcante.

Confira os Benefícios e Diferenciais de Utilizar uma Bicicleta Dobrável

A bicicleta dobrável é uma excelente alternativa para utilizar para quem não conta com um lugar seguro para guardar a bicicleta. Uma vez que dobrada, a bicicleta poderá ser guardada em qualquer canto de sua casa ou do seu trabalho, além é claro de caber facilmente em um elevador.

Os modelos de bike dobrável são excelentes para andar por pequenas distâncias e é considerada como uma ótima solução para quem usa transporte público, mas gosta muito de pedalar. As bicicletas dobráveis poderão ser consideradas como uma bagagem e por isso são permitidas em ônibus e metrôs em diversas grandes cidades.

Contando com uma bike dobrável é possível se praticar exercícios todos os dias e ainda pedalar do caminho entre a casa e o trabalho de você morar perto, além é claro da qualidade de vida que você vai conquistar.

A praticidade é o nome dado a bike dobrável, esta que economiza muito espaço e integra a mobilidade e praticidade para a vida de quem gosta de andar de bicicleta mas não tem opções onde guardar uma.

A bicicleta dobrável é uma boa pedida para usar no dia a dia?

No Brasil não pensamos muito em bicicletas como veículos, ou como um meio de transporte e sim algo para diversão, por isso achamos realmente um absurdo pagar R$ 1000 por uma bike dobrável por exemplo.

As pessoas acham plausível se pagar 100 mil em um automóvel e 30 mil em uma moto repletos de tecnologia e segurança, mas acham absurdo pagar algo em torno de R$ 3 mil por uma bicicleta repleta de tecnologia e segurança.

A resposta para saber se a bicicleta dobrável é boa ou ruim é simples, assim como qualquer outro tipo de bicicleta existem as de melhor e pior qualidade. O fato de serem dobráveis não interfere nelas serem piores ou melhores do que as bicicletas convencionais. Existem sim no mercado bicicletas dobráveis boas e ruins.

As características que podem diferenciar as bicicletas dobráveis de outras não estão em sua qualidade mas uma série de outras vantagens. Mas a principal está na portabilidade.

fit